16809469_1255451614542419_931303054_n
16735988_1251561094931471_855114769_n
11845163_1028536903823301_5957732896107955772_o
B2 acrescido de tanker jackets. O homem à frente usa um sobretudo americano.
15319330_1176394329114815_634927418_n

Na Segunda Guerra Mundial as tabelas de organização e equipamento (TO&E) das divisões americanas previam o material que deveria ser dado aos oficiais e praças. As combinações de peças dependiam do armamento e da forma de transporte do homem. Homens transportados por viaturas recebiam bornais e cintos simples, enquanto Infantes e pessoal de Saúde tinham

15280990_1176393652448216_777427718_n
111
1b

O equipamento para o combatente de Artilharia e Cavalaria era diferente daquele recebido pelo Infante. Uma necessidade menor de carregar equipamentos e suprimentos e de quantidade de munição tinham impacto nos conjuntos distribuídos para os homens pertencentes às armas de Artilharia e Cavalaria. Os combatentes destas armas recebiam as seguintes peças: -Bolsa para curativo individual;

Mochila baseada no modelo americano

O equipamento N.A. (“Norte-Americano”) foi adotado em 1944 para a Força Expedicionária Brasileira. As peças de lona eram todas de fabricação nacional, confeccionadas por fabricantes diversos e sua qualidade e robustez iam desde a sofrível até a excelente. Estas postagens tratam apenas do EQUIPAMENTO INDIVIDUAL DE LONA. Nem toda peça de lona fazia parte do

Soldado Maretti do 6.o RI prestes a retornar ao front. Uniforme B2.

O amigo André uniformizado com um conjunto B-2 produzido pelo CHO e modelado a partir de um exemplar original. Este é um modelo sem alterações, que se tornaram comuns a partir do começo de 1945, com o encurtamento das blusas. Note o correto equipamento do tipo N.A., no lugar do material americano erroneamente usado no

Página 1 de 512345